A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (11) a Operação Captura de Estado, com o objeto de investigar “diversas práticas eleitorais ilícitas” em Mato Grosso. A operação já resultou na prisão de uma mulher que, na chegada dos policiais, tentou destruir um aparelho celular que já estava apreendido.

Segundo a PF, a investigada presa, cujo nome ainda está sob sigilo, foi candidata a vereadora de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, nas eleições passadas. “Ela foi presa em flagrante durante a execução da ordem judicial, na ação de hoje, por supressão de documento”, informou a Polícia Federal, referindo-se ao Artigo 305 do Código Penal.

De acordo com os investigadores, os integrantes dessa facção criminosa fraudavam enquetes em redes sociais, além de financiar e patrocinar candidatos. “A ação vai ao encontro das diretrizes da Polícia Federal, atuando como polícia judiciária eleitoral, na apuração de possível inserção de representantes previamente escolhidos por facções criminosas no âmbito político (Legislativo e Executivo), juntamente com o fenômeno da desinformação eleitoral (fake news), de modo a preservar a lisura do processo eleitoral e do ambiente democrático”, relatou, em nota, a PF.

Ao todo, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão expedidos pela 9ª Zona Eleitoral de Barra do Garças, em Mato Grosso. Os materiais apreendidos serão analisados pelos peritos federais, a quem caberá apresentar, por meio de laudos, a materialidade do crime e a responsabilização criminal dos envolvidos.

– Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil – YWD 11109